Ana Maria confessa à procuradora que quase entrou na pirâmide do ‘Boi Gordo’

Postado em Atualizado em

Ana Maria confessa à procuradora que quase entrou na pirâmide

do ‘Boi Gordo’

Especialista explica que o crime deixou um prejuízo de mais de R$ 2,5 bilhões

17/09/2013 às 09h08
Atualizado em 17/09/2013 às 09h16
Ana Maria recebe a procuradora da República Mariane Mello no estúdio do Mais Você (Foto: Mais Você/TV Globo)Ana recebe a procuradora da República Mariane Mello no estúdio do Mais Você (Foto: Mais Você/TV Globo)

Ao receber a procuradora da República Mariane Mello para alertar sobre o crime da pirâmide financeira, Ana Maria Braga fez uma confissão: “Era uma história que parecia que tinha um produto, era o negócio do Boi Gordo e eu quase entrei nessa, mas era um ganho que você fica desconfiada”.

Crime com prejuízos irrecuperáveis: não caia no conto da pirâmide financeira

A especialista, que mora em Goiás, relatou que o estado teve dois casos clássicos do crime. “Tivemos dois casos emblemáticos em Goiás, o caso do ‘Boi Gordo’ e o caso da ‘Avestruz Master’”, enfatizou a procuradora da República. Ela disse que a pirâmide do Boi Gordo deu um prejuízo de mais de R$ 2,5 bilhões para quem investiu.

“Quem investe primeiro sabe que se trata de uma pirâmide, os outros consumidores a gente tenta proteger. No caso da Avestruz Master, uma amostra grátis da avestruz existia realmente. A gente demorou a entender que era uma pirâmide. Quando se chegou a tomar as medidas, o prejuízo dos consumidores foi de 100%”, ressaltou ela.

Ela contou como as pessoas podem se prevenir do ato criminoso, ainda mais quando ele envolve produtos. “Como a pirâmide tem uma vida útil muito pequena, de um ano e meio a dois anos, o comerciante tem que ver se ele quer aquele produto, se usaria aquele produto, se tem apelo comercial, ou ele está comprando pela desculpa”, disse.

Mariane contou como é a punição para os casos. “Este dinheiro vai para a cúpula da pirâmide, e os donos da ideia podem ser processados e presos. Neste caso, a lei é muito antiga e precisa ser revista. A diferença do estelionato é que a vítima é conhecida. No caso da pirâmide, a vítima é uma sociedade, indeterminada, muito mais grave, e a pena é apenas de seis meses a dois anos de detenção. Estamos revendo”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s